quarta-feira, 23 de julho de 2014

LIDERANÇA: O QUE OS NOVOS LÍDERES DAS ORGANIZAÇÕES PRECISAM SABER SOBRE CQC DA LIDERANÇA?

Com a evolução econômica do Brasil, muitas organizações passaram a ofertar oportunidades para colaboradores assumirem cargos de liderança. Contudo, nem sempre estes novos talentos compreendem o grau de importância de sua atuação no contexto organizacional. Neste sentido, este breve artigo procura abordar os três critérios para se eleger um líder, cujas questões devem merecer especial atenção não somente do novo líder, mas, de qualquer profissional que esteja à frente de equipes de colaboradores ou tenha sob sua responsabilidade importantes processos de trabalho.

Figura: CQC da Liderança



Comportamentos positivosBergamini (1982, p. 31), explica que “de forma bastante ampla, pode-se dizer que dado comportamento humano pode aparecer quando menos se espera. É, portanto, muito grande o número de condutas inesperadas por parte daqueles que estão sendo observados”. Pode-se perguntar: quem não está sendo observado? Uns são observados para verificar se estão realizando o que foi combinado, outros, para confirmar se realmente não estão fazendo o que se esperava e, uns poucos, observados para confirmar suas potencialidades para assumirem cargos de liderança. O profissional com potencial é visto como alguém que apresenta comportamentos em sintonia com os melhores padrões da organização. Os bons comportamentos que mais se observam são: cumprimento da jornada de trabalho, disponibilidade para exceder horários quando necessário, disponibilidade para contribuir em projetos executados dentro e fora da organização nem sempre em horários comuns de trabalho, colaboração com demais membros de sua equipe e até de outros setores, cuidado com que trata equipamentos, mercadorias ou valores que lhes são confiados, reconhecimento espontâneo de sua competência por clientes, fornecedores e colegas de trabalho. Além de questões delicadas como o não envolvimento em escândalos ou ocorrências negativas que variam desde o excesso de consumo de bebidas alcoólicas numa confraternização da empresa até o não envolvimento público em crimes de corrupção e outras situações que possam ferir a imagem do colaborador ou mesmo da organização. Enfim, quando se trata do potencial líder, a direção sabe que o que foi combinado será feito do jeito, no tempo e com a qualidade que se espera. Discussões sem sentido com colegas e superiores, agressividade nas palavras, falta de argumentos lógicos para solicitar melhorias, não cumprimento de acordos e regras, são mais comuns entre os que jamais deverão (ou deveriam) ocupar cargos de líderes das equipes. Portanto, se o colaborador foi promovido, ou está prestes a ser promovido, é porque passou por este filtro, o do bom comportamento, bastando cuidar de seus atos para continuar merecendo a confiança de seus superiores.
Qualificação Profissional: A educação formal para a grande maioria dos cargos é primordial. Infelizmente, muitos líderes foram nomeados no passado com base na confiança em sua pessoa (por terem bons comportamentos) e por conhecerem o trabalho que realizavam. Em algum momento estes requisitos eram suficientes para se eleger um novo líder, mas, com as mudanças de processos e o surgimento de novas tecnologias, a qualificação profissional tornou-se primordial. Muitos líderes não estão conseguindo acompanhar a velocidade das mudanças. Apesar de existirem exceções, de maneira geral, os líderes que não possuem a Qualificação Profissional mínima para as exigências de determinado cargo, ou seja, não adquiriram os conhecimentos adequados em treinamentos, cursos de curta duração, cursos técnicos, graduação ou pós-graduação; tendem a bloquear mudanças e dificultar inovações nos processos. Outros que não entenderam que o processo de Qualificação Profissional é contínuo, também atrasam o desenvolvimento organizacional. Regra geral, quanto mais uma organização busca crescimento, maior será a necessidade de novos conhecimentos.
Compreensão: sobre o funcionamento da área, a organização, o setor, o produto ou o serviço que se oferta, é algo essencial para o sucesso da liderança. Um exemplo é que nem todo líder dos marceneiros precisa efetivamente ser um marceneiro, contudo, precisa ser um profissional que entenda de marcenaria. Precisa ter domínio sobre os detalhes da produção mobiliária, das dificuldades e facilidades dos colaboradores para o desempenho de suas funções, do ramo de fabricação de móveis, do funcionamento da empresa que participa, tenha ciência sobre a visão para com sua empresa, saiba de suas possibilidades de crescimento, ameaças e novas exigências de clientes e governos. Tenha, principalmente, conhecimentos e habilidades para conduzir o grupo que está sob seu cuidado rumo aos resultados positivos e perenes.  
Se apenas um ou dois destes critérios elegíveis para um bom líder estiverem contemplados por determinado profissional, o melhor caminho será não promovê-lo neste momento e ajudá-lo a conquistar o que lhe falta para uma justa promoção no futuro. Mesmo porque, depois de promovido, haverá apenas três caminhos ao profissional: permanência no cargo por longa data, promoção para outro cargo ou, em última instância, demissão. Esta última possibilidade é péssima para aquele que era um bom profissional na sua área e, um considerável atraso para a organização que necessita manter suas atividades em ordem. Portanto, é preciso critérios claros para a realização de promoções de novos líderes.
Certamente existem outros pontos que envolvem o exercício de uma boa liderança, contudo, atendendo em bom nível estes três critérios, tanto o novo como o líder experiente, deverão obter sucesso em seus propósitos. Um abraço e até a próxima se Deus quiser!

Adolfo Plínio Pereira é professor universitário de graduação e pós-graduação, palestrante e instrutor de cursos. Mestre em Desenvolvimento Sustentável e Qualidade de Vida e especializado em Gestão de Pessoas e Liderança. professoradolfo@terra.com.br /adolfoplinio@terra.com.br

Postar um comentário